Viajar é saber dizer adeus (parte 1)

Há pouco menos de 3 anos estávamos no nosso quarto de hotel arrumando nossas malas, Carol estava chorando na cama e, aunque eu não chorava, podia entender perfeitamente o que estava sentindo: não é fácil dizer adeus e ela não queria deixar Santiago de Chile.

Santiago de Chile | 2016/03 | Samsung J2

Até hoje não voltamos a Santiago, já sabíamos que não iríamos voltar tão cedo; mas sair de um lugar que a gente gosta sem saber se iremos voltar ou quando iremos fazê-lo não é algo muito fácil de fazer. Ao deixar uma cidade ou país deixamos algo nosso ai. Algo que não vamos a encontrar novamente, mesmo que peguemos um avião pro Chile hoje já não somos os mesmos que éramos naquele março e, sem dúvidas, a cidade também não é a mesma.

Por quê não voltar lá todos os anos? é uma pergunta válida e não posso negar que passa várias vezes pelas nossas cabeças mas é muito difícil repetir alguma viagem em específico quanto tem tantos outros caminhos que ainda não pegamos. No meu caso sempre ganha a curiosidade, a adrenalina de aterrissar num novo aeroporto, caminhar por outras calçadas ou simplesmente olhar por outras janelas e ver outros horizontes.

Chile / Argentina | 2016/03 | Samsung J2

Hoje eu me conheço um pouco mais e posso entender que essa sensação de vazio e nostalgia antecipada que sinto quando estou saindo por última vez por uma porta é a forma em que meu corpo e minha mente processam esse insubstituível intercâmbio que fazemos com o mundo. Eu entrego meu tempo, meus passos, sonrisas e medos em troca de umas lembranças, perguntas e, sobretudo, uma pequena peça deste quebra cabeças que somos como seres humanos. Eu sei que viajar significa vários sacrifícios mas o saldo sempre fica a nosso favor.

As matemáticas não funcionam de uma forma natural, aparentemente deixamos muito mais do que nós levamos mesmo com esse momento da despedida, que pode ser tão doloroso, no final hoje há mais do Chile em nós do que nosso lá, e para mim isso vale a pena.

Hard Rock Café Santiago de Chile | 2016/03 | Samsung J2

outubro 28, 2018 1:20 am
Retrato de Facundo Leites em tons de cinza

Sou Programador web, nascido na cidade de Posadas e co-fundador do projeto de viagens e origami Tsuru No Mundo

Morando —atualmente— em Curitiba, felizmente casado e estudando de Engenharia de Software.

Tem muita mais info sobre mim Aqui!


Idioma


Entre em contato

Me escreva —por qualquer motivo— pelo email hola@facundoleites.com.

Estou em muitas redes sociais. Me procure!

Post recentes